quinta-feira, 30 de setembro de 2010

M de Museu Imaginário (X)

[Azulejinhos/Algures em Lisboa]

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

M de Museu Imaginário (Vb)


Pormenor dos frescos de Goya, na Ermida de San Antonio de la Florida
(uma das minhas paragens se voltar a Madrid)

O de Outono

TEMPO SEM TEMPO
(Mario Benedetti)


Preciso de tempo necessito desse tempo
que outros deixam abandonado
porque lhes sobra ou já não sabem
que fazer com ele
tempo
em branco
em vermelho
em verde
até em castanho escuro
não me importa a cor
cândido tempo
que eu possa abrir
e fechar
como uma porta

Tempo para olhar uma árvore um farol
para andar pelo fio do descanso
para pensar que ainda bem que hoje não é Inverno
para morrer um pouco
e nascer em seguida
e dar-me conta
e dar-me corda
preciso do tempo necessário para
chapinhar umas horas na vida
e para investigar por que estou triste
e acostumar-me ao meu esqueleto antigo


Tempo para esconder-me no canto de um galo
e reaparecer num relincho
e para estar em dia
e para estar em noite
tempo sem recato e sem relógio

Que o mesmo é dizer preciso
ou seja necessito
digamos que me faz falta
tempo sem tempo.


Versão de Miguel Martins
in Proibida a entrada a animais (excepto cães-guia), Língua Morta

terça-feira, 28 de setembro de 2010

P de (Um Ano de) Pássaros (XI)

QUADRO COM PÁSSAROS


O muro é, deste lado, escuro e triste,
tal como acontecia naquele conto
que um dia te expliquei. Se fosse verdade, hoje
todos os pássaros pintados por ti
estariam à tua espera do outro lado
cantando para ti: a parte clara
de que falava o conto
iria acolher-te como eu e a tua mãe
se pudesses um dia regressar a casa.

Enquanto conto a mim mesmo a história,
vejo os últimos pássaros que pintaste.
Aqui, no lado sombrio deste muro,
de que forma poderia pagar a ilusão
de sentir-te na brisa de um instante?


Joan Margarit, Joana (Ediciones Hiperíon)

G de Gostava de ter sido eu a lembrar-me deste título

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

R de (O) rio da minha aldeia (IV)


Setembro 2010

S de Self

"She was not to talk with, she was not to cook, she was not to produce children. She was not to knit sweaters, to write plays, to dig ditches, to sing songs."
Lawrence Block, The Canceled Czech

R de (O) rio da minha aldeia (III)




[Faltava um dos cinco]

domingo, 26 de setembro de 2010

R de (O) rio da minha aldeia (II)

video

video

[Antes e depois da chegada do barco]

C de Chapeau!

Ontem:
amigos, poesia e música de se lhes tirar o chapéu.

[Fotografia de RMR]

F de Fazer fotografia (XVIII)

A "fotografia pendurada na parede" do poema de Joan Margarit:

Xavier Miserachs, "Passeig de Gràcia", 1962

sábado, 25 de setembro de 2010

B de Biorritmo (XXXIII)

"[...] e tudo aquilo que é viver"

P de (Um Ano de) Pássaros (X)


Fonte: The Complete Canterbury Tales,
ilustrações de Edward Burne-Jones e William Morris
(Eagle Editions)

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

P de (The) Privacy of Rain (II)

P de "Portugal não é um país pequeno" (II)




Lisboa / 21 Set 10

L de Livraria

Tem site, mas é mais bonita ao vivo, em Copenhaga.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

E de Estado de espírito





Santa Cruz / Setembro 2010

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

P de (Um Ano de) Pássaros (IX)

É na axila que um pássaro se aninha
e toma carne e febre,
cantando o trabalho paciente
do sonho e da melancolia.
Pássaro num outro espaço,
para onde nos vão desejos e poemas...
Eu te saúdo, pássaro de branca neve e papoila viva,
ao pé do bebedouro e do espinheiro.
Pássaro: casa pequena de ossos
espalhados no alvoroço de ventos e marés...

- Jacques Izoard
(tradução colectiva - Poetas em Mateus)
in Jardins mínimos e outros poemas, Quetzal - 1994

domingo, 19 de setembro de 2010

B de Biorritmo (XXXII)

"[...] the only thing that keeps you calm is to die everyday"

F de Futebol (II)

Como já disse, o futebol tem momentos muito bonitos:

"um Sporting que faz um jogo onírico e estranho"
versus
um Benfica "como um divorciado numa discoteca"


B de Biorritmo (XXXI)

Para os amigos que provaram uma vez mais que - diga o Rilke o que disser - às vezes nos podemos encontrar na mesma ilha.

sábado, 18 de setembro de 2010

H de "Hay que beber para recordar y comer para olvidar" (VI)

[Para a Renata]

S de Solidão (ou C de Comunidade)

XI

Et l’art n’a rien fait sinon nous montrer le trouble dans lequel nous sommes la plupart du temps. Il nous a inquietés, au lieu de nous rendre silencieux et calmes. Il a prouvé que nous vivons chacun sur son île ; seulement les îles ne sont pas assez distantes pour qu’on y vive solitaire et tranquille. L’un peut déranger l’autre, ou l’effrayer, ou le pourchasser avec un javelot – seulement personne ne peut aider personne.


XII

De l’île à île, il n’y a qu’une possibilité : de dangereux sauts où l’on risque plus que ses jambes. Cela donne un éternel va-et-vient bondissant, fait de hasards et de ridicules ; car il arrive qu’ils soient deux à sauter en même temps l’un vers l’autre, si bien qu’ils ne se rencontrent qu’en air, et qu’après ce pénible échange ils se retrouvent tout aussi loin – l’un de l’autre – qu’auparavant.

Rainer Maria Rilke, Notes sur la mélodie des choses,
Éditions Allia (que tem um dos mais bonitos catálogos de grandes livros pequeninos )

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

F de Fazer Fotografia (XVII)

Margaret Monck, "Man, Quayside with bird cages" (Portugal), 1930s

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

E de (Uma Outra) Educação

Por culpa do Vasco Granja, esta série de desenhos animados foi determinante na minha formação:

B de Biorritmo (XXIVd)

E como é que me foi escapar esta versão... Há músicas que conseguem salvar um dia, sobretudo com a ajuda da chuva lá fora.

B de BIOGRAFIA, de José Amaro Dionísio (TELHADOS DE VIDRO, nº14)


"O coração é uma arte difícil. Mas tudo o resto é a crédito."

P de Postais (III)


Fotografia de Ara Güler, 1956
(obrigada, Rui)

terça-feira, 14 de setembro de 2010

R de Regresso ao trabalho (IV)

"O medo do aborrecimento é a única desculpa para trabalharmos."

"Se a preguiça nos faz infelizes, tem o mesmo valor que o trabalho."

Jules Renard, excertos do Diário (1887-1910) in Telhados de Vidro, nº14 (trad. José Miguel Silva), Averno

domingo, 12 de setembro de 2010

J de (O) Jardim e a Casa (IV)

Um dia vou mesmo visitar este jardim e reler lá uma das minhas frases preferidas:
http://arquivodecabeceira.blogspot.com/2009/11/d-de-dia-de-los-muertos-alias-hoje-e.html

E de Efeito Borboleta (II)

FLEURS VOLANTES
Pour l'étrange visionnaire Rudolf Steiner, les papillons sont des fleurs volantes. Une sorte de stade ultime de la fleur qui s'allège et prend son envol.
L'humanité chenille deviendra-t-elle papillon? Prendra-t-elle un jour son envol, elle aussi?
- Oui, répond cet auteur.
L'humanité s'allégera. L'antique malédiction de la gravité cessera et la terre, la matière, deviendra "éther". L'être humain aura une aile multicolore et nous deviendrons nous aussi des "fleurs volantes".
Érik Sablé, La sagesse des oiseaux
(obrigada, Renata)

D de Dedinhos dos Pés

Estes são de Viana:



sexta-feira, 10 de setembro de 2010

P de (Um Ano de) Pássaros (VIII)

Uma prenda de anos
que junta duas das minhas coisas preferidas.

T de Tratado de Pedagogia (XII)

Também se aplica ao ensino:

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

A de Amor (IV)

[...]
O amor não é um símbolo.
O amor não é natural.
O amor não é felicidade.
O amor não é sofrimento.
O amor é uma arte mágica.
O amor é a indiferença absoluta
perfeita
e agente.
[...]
Manuel de Castro, "Regresso ao Oriente"
in A Estrela Rutilante
(obrigada, Diogo)

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

terça-feira, 7 de setembro de 2010

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

C de Culto do Chá

A prenda perfeita para ajudar no regresso ao trabalho:

A de Aniversário (II)

"nas horas felizes, se as há"
(obrigada)

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

M de Museu Imaginário (VIII b)




Mário Botas
reprodução de desenho distribuído com
non nova sed nove nº5, fevereiro 93

T de Tenebrae

B de Biorritmo (XXXI)

Faixa 2