sábado, 26 de abril de 2014

T de Teologia


Quando os apaixonados falam
entre as árvores
e centenas de ruas infelizes,
quando abraçam a hera
como se fosse um canto,
quando descobrem a graça
nas searas descompostas
e profundamente viçosas,
quando os apaixonados gemem,
tornam-se senhores da terra
e vizinhos de Deus
como os santos mais ébrios.

Quando os apaixonados falam da morte
falam da vida eterna
conversando num fino esperanto
que só Ele conhece.
A sua linguagem é dessacralizante,
mas evoca a graça infinita
de um imenso perdão.


ALDA MERINI
[Trad. ID]

Sem comentários: