domingo, 26 de junho de 2016

D de "Dust Motes Dancing in the Sunbeams" * - II


MAGSTRAEDE, 16


Apenas vos posso dizer que fica 
numa das ruas mais bem escondidas 
de Copenhaga, onde os prédios
dos séculos XVII e XVIII
se vestem de cores - estas sim -
realmente várias, obedientes
à lenta declinação da luz.

Portadas e janelas, nos seus graus
ínfimos de abertura e reclusão,
edificam um silêncio, uma dignidade,
que não consigo imaginar a Sul e que 
só um pintor dinamarquês soube captar.

Fica numa das ruas mais escondidas
de Copenhaga, embora vá fechar em Setembro 
de 2007, o restaurante Tyven Kokken hans Kone 
og hendes Eksten. E é sem querer, claro, que
nos despedimos para sempre destas paredes brancas. 


Manuel de Freitas
in Inês Dias, Lisboa: nigredo, 5 de Setembro de 2014




[ID, 'à lenta declinação da luz', 05/015]



* O título é de um quadro de Vilhelm Hammershøi.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

P de Pássaros Anónimos (VI)






POEMA


Os pássaros de Londres
cantam todo o inverno
como se o frio fosse
o maior aconchego
nos parques arrancados
ao trânsito automóvel
nas ruas da neve negra
sob um céu sempre duro
os pássaros de Londres
falam de esplendor
com que se ergue o estio
e a lua se derrama
por praças tão sem cor
que parecem de pano
em jardins germinando
sob mantos de gelo
como se gelo fora
o linho mais bordado
ou em casas como aquela
onde Rimbaud comeu
e dormiu e estendeu
a vida desesperada
estreita faixa amarela
espécie de paralela
entre o tudo e o nada
os pássaros de Londres
quando termina o dia
e o sol consegue um pouco
abraçar a cidade
à luz razante e forte
que dura dois minutos
nas árvores que surgem
subitamente imensas
no ouro verde e negro
que é sua densidade
ou nos muros sem fim
dos bairros deserdados
onde não sabes não
se vida rogo amor
algum dia erguerão
do pavimento cínzeo
algum claro limite
os pássaros de Londres
cumprem o seu dever
de cidadãos britânicos
que nunca nunca viram
os céus mediterrânicos



Mário Cesariny, 19 Projectos de Prémio Aldonso Ortigão,
seguidos de Poemas de Londres (Quadrante)





[ID, 'Hyde Park - evening', Outubro 014]

quarta-feira, 22 de junho de 2016

C de "(O re)começo de um livro..." (V)

[...]
Não esqueço.
Aqueles a quem roubaram o sorriso. Portugal é isto: uma fila de velhos muito pobres, verdade e fingimento, à porta de um dispensário, num coro constante de tosses, também ramela. Queixumes e câmbios de mazelas e, no fundo, ninguém quer que lhe tirem as suas doenças. Nada mais possuem. Depois como era!!?... E há os intelectuais: os intelectuais têm muita graça.

[...]




Paulo da Costa Domingos, Narrativa,
com capa e carta-prefácio de Vitor Silva Tavares,
Lisboa, Alambique, 26 de Maio de 2016

L de Ler (XI)


"Estamos todos doentes, 
e só sabemos ler os livros que falam da nossa doença."


Jean Cocteau, La difficulté d'être,
Paris: Éditions du Rocher, 1989

F de Fazer Fotografia (LXXVIII)


"Nos meus passeios reparava que toda a paisagem nos últimos meses tinha adquirido como que uma tonalidade estranha por causa daquela dor. Aqui ou ali havia uma árvore onde a dor tinha sido mais intensa, aqui ou ali uma vedação onde tinha batido com a mão ao caminhar. Quando passava novamente nesses sítios, nos dias em que não tinha dores, a dor parecia lá continuar, na vedação.
A dor é uma paisagem."


Lars Gustafsson, A Morte de um Apicultor,
trad. Ana Diniz, Porto: Edições Asa, 1992

terça-feira, 21 de junho de 2016

quinta-feira, 16 de junho de 2016

terça-feira, 14 de junho de 2016

E de Encontro (II)


5.


Nunca separei um sorriso do amor.

Circula essa jornada confusa,
um afã não dito,
um amargo que muda


em ternura.

                    Tranquila vibração,
recôndita fugacidade, solta
o gemido que vai da língua à garganta,
semente de uma ave.

Enleia num alento o outro enleio.

O silêncio não precisa de provocar
o que não ouve, lá fora, na madressilva.

A glicínia a magnólia o cacilheiro
cada margem.

Um sorriso.

Joaquim Manuel Magalhães, "Homossexualidade",
in Telhados de Vidro n.º 4, Lisboa, Averno, Maio de 2005




[ID, Maio 016]




segunda-feira, 13 de junho de 2016

S de Santo Antoninho dos Esquecidos


13 DE JUNHO DE 2011


para a Inês Dias


A festa foi ontem. Mas não tivemos festa,
pela primeira vez em muitos anos.
Almoçámos tarde, na Rua da Regueira,
e o amor parecia diluir-se entre vielas
demasiado limpas e sombras do que já fomos.

Nas paredes devolutas, encontraste pássaros,
grinaldas frias, versos sem dono
nem sentido. Perto, ou muito longe,
três velas teimavam em iluminar-te os passos.
O cravo, azul, veio ao nosso desencontro.
Mas era de papel, embora rubro;
não nos podia salvar de sermos nós.

A festa, a única que me interessa, é o teu nome.


MANUEL DE FREITAS
in Sunny Bar, org. de Rui Pires Cabral,
posfácio de Silvina Rodrigues Lopes, capa de Luís Henriques
e arranjo gráfico de Pedro Santos, Lisboa, Alambique, 2015





[ID, Junho de 2010]

sexta-feira, 10 de junho de 2016

L de Look down




[ID, 10 de Junho de 2011, 
Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas]

C de "(O) começo de um livro..." (IV)


1

O começo de um livro é precioso. Muitos começos são preciosíssimos.
Mas breve é o começo de um livro – mantém o começo perseguindo.
Quando este se prolonga, um livro seguinte se inicia.
Basta esperar que a decisão de intimidade se pronuncie.
Vou chamar-lhe fio ___ linha, confiança, crédito, tecido.

2

Renunciei a que alguém, um dia, me chame: "Avó Gabriela".
No entanto, tive um devaneio a noite passada. Eu ouvia planger,
De facto e auditivamente, em texto, o latido surdo
De um cão ruivo pronunciando: "Avó Gabriela". Feliz, Trova
Dava-me a pata e eu dei-lhe para a mão o próprio texto
Ainda no seu estado sonoro cénico.
Com a pata sobre o texto, parecia o ícone do quinto evangelista.

3

Ela tinha sempre um olhar __ deixara de se temer a si própria. O anel
Que trazia no caule era mais amplo ainda; o que olhava, de somenos
Importância. Era uma planta de folhas claras. O ruído da cidade
Entrava pela janela. Viera pôr a sua luz à secretária.
Por que viera assustá-la?
Não sei.
Não compreendendo por que luz e ruído se associavam, dia após dia,
"cabra de luz", lhe chamava. Respirar era-lhe evidente difícil.


Maria Gabriela Llansol, O começo de um livro é precioso
Lisboa, Assírio & Alvim, 2003

quinta-feira, 9 de junho de 2016

T de Tratado de Pedagogia - LXIII





I'LL GO TO HELL


Escapar pelo rio,
fugir numa jangada,
acariciar o medo,
coleccionar estrelas,
gostar dos amigos.

Fumar a tristeza
num cachimbo de cortiça.
Ser a sombra que flutua,
uma alma sigilosa que se esconde do sol. 

Enfiar linha numa agulha
com um beijo,
ser a menina que lê
enquanto mexe no cabelo.

Irei para o inferno,
guardarei o teu segredo
do homem escondido
que procura a liberdade
e sonha que o futuro
não distingue as cores.

Irei para o inferno
contigo, Huckleberry,
e o fundo do teu abraço
será a minha salvação. 


ANA MERINO
[Trad. Inês Dias]





[ID, Sintra, Abril 016]

S de Segredo




[ID, Lisboa, 10/013]



segunda-feira, 6 de junho de 2016

P de "Photographing Fairies"



[ID, Caneiras, 17/08/013]



[...]

Eram coisas que tornavam 
apetecível o inferno
e que teimavam em durar
através das horas e dos séculos.
Mas prefiro recordar a bola de sabão
que morreu entre os meus dedos
ou o ramo de pinheiro 
oferecido pelo Tiago, que percebia, 
pela primeira vez, a sombra do lume
quando está próxima a areia.


MANUEL DE FREITAS 
in Manuel de Freitas e Inês Dias, Sítio
com desenhos de Luis Manuel Gaspar, 
volta d' mar, 2016 







[ID, Festa de São Brás, 3/02/013]

sábado, 4 de junho de 2016

A de Amor (XII)


Não te aproximes tanto
de uma alma em cinzas. Apenas
arde

ou dá-me
do sol estrelas, escuros
fragmentos da mansidão. So tired

of dying
digo, baixinho, amo-te. Digo-o
pela tua boca.


- José Carlos Soares, Este perder-se
(2011)




[ID | 2011]

sexta-feira, 3 de junho de 2016

M de Morte (III)


O cão que persegue os pássaros não sabe
que nunca vai voar,
nem a encrespada onda que atingia a tua imensa
altura de criança conhecia
o seu destino de charco desfeito pelo vento.
E aquela nuvem também não
acordará inquieta, a meio da noite,
receando a chuva caída sobre os campos,
nem o pintassilgo que esculpe os seus sons de prata
nos muros do ar
se queima na cinza do seu próprio cantar.
Mas eu sei, quase nasci a saber,
que um dia não estarei sobre o teu coração
para compreender tudo.


Ángel Mendoza
in Criatura n.º 6, trad. Inês Dias,
Núcleo Autónomo Calíope / Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa, 2011





[ID, 'A perspectiva da morte', 14/06/016]

quinta-feira, 2 de junho de 2016

P de Poética (LVI)




*



Miguel de Carvalho, Neste estabelecimento não há lugares sentados
Lisboa, Alambique, 2016

[Fotografia de ID, Coimbra, 15/05/016]

quarta-feira, 1 de junho de 2016

L de (A) Luz da Sombra (XLIII)


REMEMBER


Abri o rádio de pilhas pirilampos 
a música da feira de Paço d'Arcos
mudámos entre duas cervejas com
açorda de marisco atrás da camioneta
os móveis empilhados torre de Pisa
que havia no escritório do meu pai
na estrada marginal às gargalhadas
A casa era muito dividida
com perspectivas dúbias com djinns
que corriam atrás dos cães
pilhas de pirilampos empilhados
os móveis quase a cair para
o mar iluminado pelos teus dentes
onde nascia o Sol quando te beijava


António Barahona, Pássaro-Lyra (Primeiro Tomo da Suma Poética),
Lisboa: Averno, 2015




[ID, 'Memória da luz das 7h30', 05/012]



Cai a persiana
como se o sol

se desatasse

e mora agora
em mim
a penumbra

das coisas 
claramente vistas


Vasco Gato, Primeiro Direito,
Lisboa, Artefacto, 2016