sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

O de "Onde se lê gato" - b


Há dias em que poderia jurar que
estão tristes os olhos do meu gato,
mas não, é apenas a melancolia
ilícita que o meu devaneio lhes empresta.
Os gatos tristes, se é que os houve,
morreram talvez num Inverno fugaz e antigo.
E, no fundo, acabo por gostar mais deste.

É por desrazões semelhantes que se escreve
um poema, essa coisa singela
absoluta em frivolidade.



Manuel de Freitas, Todos contentes e eu também,
Porto: Campo das Letras, 2000
 

Sem comentários: