domingo, 20 de agosto de 2017

C de "celui qui regarde une fenêtre fermée" (III)



[ID, Lisboa | 06/011]



GATO EM APARTAMENTO VAZIO


Morrer - isso não se faz ao gato.
Pois que há-de um gato fazer
num apartamento vazio. 
Ir arranhando as paredes.
Roçar-se por entre os móveis.
Por aqui nada mudou
mas está mais que mudado.
As coisas estão nos sítios,
mas os sítios outros são.
E nem se acende a luz pela noitinha. 

Ouvem-se passos na escada,
todavia, não os tais.
A mão que põe no pratinho o peixe
também não é a que antes punha. 

Algo aqui não acontece
às horas que acontecia.
Algo há aqui que não corre
como devia correr. 
Alguém aqui esteve, esteve,
e agora teima em não estar.

Vasculhados todos os armários.
Percorridas todas as prateleiras.
Uma vez verificado o chão sob a alcatifa.
Contra todas as proibições até,
espalhados os papéis. 
Que é que fica ainda por fazer.
Dormir e esperar.

Deixa-o só voltar,
deixa-o lá mostrar-se.
Há-de aprender
que com um gato não se brinca assim. 
Há-de um bicho ir-se chegando para perto,
como quem não quer a coisa,
bem devagar,
muito sobre as patinhas ofendidas.
E ao princípio nada de saltar nem de miar.


Wislawa Szymborska, Paisagem com grão de areia, 
trad. de Júlio Sousa Gomes, Lisboa, Relógio D' Água, 1998




[ID, Lisboa | 04/015]

2 comentários:

Anónimo disse...

maravilhoso! muito melhor do que um «beware»
RMR.

ID disse...

;)