segunda-feira, 23 de maio de 2016

V de Vida (VI)


21 de Fevereiro de 2014


É belo de mais para morrer
(M. G. Llansol, Caderno 1.62, p.62)


O que é belo de mais para morrer, não morre. Sobre ele, ela, isso, a morte não tem poder. E quando chega, só lhe reforça o sentido e o fulgor. O que é belo de mais para morrer conhece a morte, e sabe que ela não pode atingi-lo. A beleza é um antídoto para a morte. Traz em si mesma o seu destino, que é a escolha da sua verdade.


João Barrento, COMO UM HIATO NA RESPIRAÇÃO - Diário do Dia Seguinte
Lisboa: Averno, 2015





[ID, Faro, 2016 - Para a Joana,
que faria hoje 38 anos.]

Sem comentários: