sábado, 26 de dezembro de 2020

E de Espera (XL)





PARDAL DE NATAL


A primeira coisa que ouvi esta manhã
foi um rápido bater de asas, suave, insistente -

asas contra vidro, como se percebeu depois,
lá em baixo, quando vi um pequeno pássaro
agitando-se na moldura de uma janela alta,
tentando lançar-se através do
enigma de vidro até à ampla luz.

E então um ruído na garganta do gato
que estava pregado ao tapete
contou-me como o pássaro ficara lá dentro,
transportado na noite fria
através da portinhola na porta da cave,
e posteriormente solto do aperto suave dos dentes.

De pé numa cadeira, prendi as suas pulsações
numa camisa e levei-o para a porta,
tão leve que parecia
ter desaparecido no ninho de tecido.

Mas cá fora, quando abri as mãos,
ele saiu disparado para o seu elemento,
mergulhando sobre o jardim adormecido
num espasmo de bater de asas
e desaparecendo sobre um renque alto de acácias.

Durante o resto do dia,
senti o seu vibrar selvagem
contra a palma das mãos, sempre que pensava
nas horas que a ave deve ter passado
presa nas sombras da sala,
escondida nos ramos pontiagudos
da nossa árvore decorada, onde respirou
entre anjos metálicos,  maçãs de loiça, estrelas de verga,
os seus olhos abertos, como os meus, deitado aqui esta noite,
imaginando este pardal sortudo e raro
aconchegado agora num arbusto de azevinho,
com a neve caindo através da escuridão, sem uma aragem.


Billy Collins, Amor Universal,
trad. Ricardo Marques, Lisboa: Averno, 2014



[ID, 02/05/012]

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Merry Christmas (III)


PRELÚDIO DE NATAL 


Tudo principiava 
pela cúmplice neblina 
que vinha perfumada 
de lenha e tangerinas 

 Só depois se rasgava 
a primeira cortina 
E dispersa e dourada 
no palco das vitrinas 

 a festa começava 
entre odor a resina 
e gosto a noz-moscada 
e vozes femininas 

 A cidade ficava 
sob a luz vespertina 
pelas montras cercada 
de paisagens alpinas

E a multidão passava
E a chuva era tão fina
que parecia filtrada
de taças clandestinas

Finalmente chegava
triunfal     em surdina
a noite convocada
em todas as esquinas

Mas não se derramava
como tinta-da-china
Na cidade acordada
já se ouviam matinas


DAVID MOURÃO-FERREIRA
[Obrigada, Maria Manuel]

sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

P de (Po)ética (LXII)

 



Louise Glück, Averno,
trad. de Inês Dias
[Relógio D'Água, 2020]

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

A de Afinidades electivas (II)

 



Dois corações selvagens: a Clarice e o Barnabé.

[ID | 012]


segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

P de (The) Privacy of Rain - XLIX



Inês Dias, Paris, 2008


*



Manuel de Freitas, Inês Dias, 
Lisboa: Nigredo, 2014

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

M de 'Mourned by the wind'


 "[...]

Este texto não existiria se eu não tivesse visto ontem, no claustro da Sé de Lisboa, uma grade românica do século XIII. Há oito séculos que estes pássaros não cantam, que estas cobras não deslizam pela relva húmida, que estas osgas não sobem paredes esboroadas. Ninguém sabe, aliás, que mãos lhes deram forma, que nome atribuir à beleza leve e robusta desta grade. Sabemos apenas, como diria Rui Chafes, que ali o ferro se fez vento - e que o vento chegou até nós, incólume e cantante. Estes pássaros, estas cobras, estão muito mais vivos do que nós, indiferentes a modas, balanços e ao Juízo Final. Não têm tempo, porque são o próprio tempo, traduzido em ferro por mãos feitas de nada e de ossos breves."


- Manuel de Freitas, 769118,
com capa de Inês Dias e arranjo gráfico de Pedro Santos,
Lisboa, Averno, 2020



[ID, Lisboa | 019]